Psicoterapia Breve: Foco, estratégia e objetivos

Curta e compartilhe:

A psicoterapia breve é orientada por metas e direcionada a resolver problemas atuais. Trabalha-se a criação de estratégias para lidar com o sofrimento ou dificuldades.

O principal objetivo da terapia breve é obter redução dos sintomas incapacitantes e que geram sofrimento e uma melhora da qualidade de vida em curto prazo. 
É uma intervenção terapêutica com tempo e objetivos limitados.

São atendimentos clínicos, que consistem em aplicação de técnicas psicológicas objetivas, onde são escolhidos os problemas a serem trabalhados e com foco na resolução destes problemas. 

Tem como objetivo amenizar e tratar o distúrbio da maneira mais ágil possível, evitando o prolongamento do sofrimento, auxiliar o individuo a lidar com seus problemas, suas dificuldades e ensinar-lhe habilidades para que seja menos propenso a recaídas.

Trata-se de um processo ativo onde há planejamento terapêutico, e os objetivos são estabelecidos a partir de uma compreensão por parte do paciente sobre seu problema.

Ele será encorajado a entendê-los para depois identificar quais as formas de enfrentá-los.

Resolver problemas específicos em um tempo relativamente curto.

Tais problemas também podem estar relacionados com algum empecilho ou a uma situação especifica com a qual a pessoa precisa se adaptar ou aprender a lidar, e que possa gerar uma mudança pessoal e proporcionar mais saúde e qualidade de vida. 

Promove aprendizado de novas habilidades, amplia a capacidade de autoconhecimento e melhora a capacidade de lidar com emoções, comportamentos e pensamentos.

Indicada para tratamento de Transtornos da Ansiedade, Síndrome do Pânico, Estresse, Transtorno Depressivo Leve, Disritmia e Fobia Social. Também eficaz para Distúrbios de Ajustamento gerados por mudanças importantes na vida, como caso de luto não resolvido; sintomas depressivos gerados por alguma situação; depressão pós-parto; dificuldade em terminar um relacionamento; separação; dúvidas sobre mudança de emprego; dificuldades em escolher uma profissão; ser submetido a testes ou avaliações; estresse; fobias especificas;  falta de autoestima.

São técnicas focais com base na terapia cognitiva comportamental, mas que permite a integração de diversas técnicas de diferentes abordagens terapêuticas e, se forem necessários, utilizam-se recursos da psicofarmacologia. 

Terapeuta e paciente criam metas conjuntamente, orientando-se por elas, além de elaborarem uma lista dos problemas a serem resolvidos.

Nesse âmbito, o trabalho em parceria é indispensável, fazendo com que o paciente mantenha colaboração e participação ativa durante todo o processo.

Na Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) procura-se definir claramente os objetivos. De maneira geral, obtém-se rapidez nos resultados e opera mudanças significativas a pacientes que se comprometem com o tratamento, pois trata-se de um trabalho ativo e em conjunto.

Geralmente, faz-se uma sessão de 50 minutos por semana durante seis meses. Se o prazo combinado não for suficiente, pode-se reavaliar a necessidade de um número posterior de sessões, dependendo do caso.

Apesar da limitação do tempo de contato com os pacientes, é uma técnica que apresenta resultados terapêuticos bastante eficazes num limite de tempo bem menor e com apenas um atendimento semanal, tendo redução do sintoma e melhoras significativas  já nos primeiros meses de tratamento.

Pessoas que apresentam maior motivação para compreender a si próprios, que estão disponíveis para participar ativamente da avaliação do problema e para a mudança, com maior capacidade de interação com o terapeuta obtêm mais sucesso com este tipo de terapia.

É uma terapia de caráter educativo com foco no presente, sem ignorar o passado, porém entendendo que a pessoa se constrói também através de suas experiências de vida: o que pensa, sente e como se comporta no momento atual.

Ela pode ser realizada em grupo, família e casal, e é bastante eficaz. O objetivo é promover a integração familiar a níveis de adaptação mais eficazes com foco na solução de um problema e na prevenção de novas crises.

Em um espaço onde é possível compartilhar vivências e partilhar experiências, e que possibilita a convivência com pessoas com questões semelhantes, fica facilitada a criação de laços emocionais que contribuem para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. Obesos, pais de filhos com necessidades especiais, alcoólicos, toxicômanos ou qualquer grupo em busca de apoio, consolo e alívio do sofrimento, encontra grandes vantagens na psicoterapia breve. 

Em um trabalho de terapia breve é impossível examinar toda a complexidade de uma personalidade. Para um trabalho ou tratamento que exige uma compreensão mais  profunda, ou casos mais graves de depressão e transtornos alimentares e de personalidade, é necessário um processo terapêutico de longa duração.