Obesidade infantil e autoestima

Curta e compartilhe:

O preconceito e a discriminação sofridos pela questão estética causam muita angústia e sofrimento à criança obesa.

Geralmente essas crianças são motivos de piadas e vitimas de criticas e apelidos depreciativos na escola, em grupos de amigos e até mesmo na própria família. Tal comportamento contribui ativamente para o desenvolvimento de baixa autoestima e isolamento da criança levando muitas vezes a depressão.

O desenvolvimento da autoestima esta relacionado ao apoio e as interações que ocorrem na família, logo é no seio familiar que a criança precisa receber apoio, estímulos e mensagens positivas. Seus ganhos e conquistas, mesmo que mínimos, devem ser valorizados para que ela aprenda a se priorizar, valorizar-se, a gostar de si mesma e consequentemente aumentar a autoestima e sentir-se mais segura.

Tratamento e o papel dos pais 

O tratamento da obesidade é de difícil manejo por tratar-se de mudanças no estilo de vida. Implica na alteração de hábitos alimentares e a implementação de atividades físicas. A criança apresenta maior dificuldade em relação às regras impostas por uma dieta alimentar.

Não pode ser radical, o ideal é que a orientação nutricional seja implantada gradualmente e que seja diferenciada e prazerosa.

Botero criancas

O envolvimento dos pais é fundamental para o sucesso do tratamento. Na maioria dos casos a criança obesa reflete os hábitos alimentares e ao sedentarismo dos pais.

Em geral, o tratamento da obesidade infantil leva em conta três fatores principais: dieta, atividade física e mudanças de hábitos de vida que prejudicam a saúde como o sedentarismo e alimentação inadequada. Mas isso tudo só terá efeito se a criança contar com o apoio e o estímulo de sua família.

O tratamento da obesidade infantil precisa ser visto como um tratamento de família e todos deve participar. O ideal é alterar a alimentação diária de toda a família.

Não há uma média de duração para o tratamento, cada caso é um caso. No tratamento da obesidade infantil a idade deve ser levada em consideração e também se há outras doenças associadas.

Normalmente, a perda de peso é recomendada para crianças a partir de 7 anos e, deve ser lenta e constante. Antes dessa idade o mais importante é manter o peso, pois a criança ainda esta em fase de desenvolvimento.

Prevenção

É na fase da infância que se forma a personalidade e que se estabelecem padrões que serão a base do comportamento da criança na idade adulta. Os cuidados em relação à obesidade infantil devem ser precoces, durante a gravidez e nos primeiros anos de vida.

alimentacao-saudavel-na-gravidez-o-que-gravida-pode-comer-e-o-que-deve-evitar-69A obesidade em muitos casos começa quando a criança ainda não possui autonomia sobre sua alimentação e estilo de vida. Portanto, o exemplo deve vir dos pais. O processo deve ser de conscientização, promover um estilo de vida saudável, criar o costume de a criança alimentar-se bem, saber selecionar alimentos saudáveis e de baixo teor calórico, dificultar o acesso ao açúcar e refrigerantes.

Evitar comer diante da televisão, limitar o tempo em que ficam diante do computador ou videogame e estimular os pequenos a praticar atividades físicas.

A margem de sucesso em tratamento de obesidade independentemente da idade é muito pequena. A maioria das pessoas desistem.

O tratamento da obesidade não é tarefa fácil. A dificuldade maior esta em aderir ao tratamento, pois se trata de abrir mão de crenças e hábitos arraigados. É um processo ativo e a maior parte dos pacientes não adere a um tratamento com comprometimento.

O tratamento psicoterápico é fundamental para atender os aspectos emocionais e comportamentais. 

Mary Scabora